sábado, 28 de maio de 2016

Minha opinião sobre o assunto - mulher x estupro x homens x feminismo


Para começar, repudio aqueles que ao brilhar dos flashes fazem pose, ainda que a câmera não esteja apontada para eles - é o caso das feministas que diante de qualquer assunto que envolva mulheres, já correm peladas para a rua dizendo que nem por isso merecem ser estupradas, como se isso fosse adiantar alguma coisa ou inibir os psicopatas. Pura politicagem e necessidade de aparecer. 
Segunda coisa: quando a matéria saiu, todos já foram falando em estupro sem nem ter conhecimento direito do fato. Vão balançados pelo vento para lá e para cá... Eu percebi a crueldade de cara, a monstruosidade e achei tudo muito revoltante, obviamente. Só pelo simples fato da exposição. Algo quase inacreditável. No entanto, a minha incredulidade não parou na ação dos homens que nem sabemos exatamente quantos realizaram o ato e quantos apenas olharam, mas já saíram dizendo que foram mais de trinta... minha incredulidade também veio da exposição que esta menina, conhecidamente, está acostumada a fazer nesta comunidade. Expõe sua saúde física, mental e espiritual constantemente, pois é acostumada a usar drogas, se dar com traficantes e a se entregar indiscriminadamente como muitas lá fazem. Para este tipo de menina, ter atenção de traficante é status. É vítima, portanto, da falta de uma estrutura familiar e religiosa, sem contar com a ausência do Estado na solução das questões do tráfico, onde alguns policiais, não todos, o apoiam. A questão é muito maior que discussões entre homens e mulheres, portanto. Acredito que há por aí muitas mulheres também abusando de crianças e jovens, pois psicopatias não são prerrogativas masculinas. A questão vai além. Trata-se de saúde e valores, palavra muito pouco praticada ultimamente. Aqueles homens, por sua vez, são marginais. O que esperar deles? Uma conduta honrada, digna, humana? Eles nem se importam com o significado destas palavras. Transfiguraram-se em monstros e, portanto, não deveriam mais gozar da proteção do Estado, estão à margem dele e das leis. Deveria haver banimento do convívio social perpetuamente, diante deste tipo de prova tão cabal sobre a incapacidade para tanto. São uma ameaça a todos nós, certamente.
Por fim, podem pensar o que quiserem, mas há tempos algumas mulheres deixaram de ser mulheres para se tornarem objetos e um exemplo disto é que vivem a competir entre si na intenção de ver para quem os homens vão olhar mais, desejar mais e cada vez vão andando com menos roupas pela rua, menos postura, numa demonstração de total falta de autoconfiança. Se esquecem ou sequer imaginam que a beleza e a graça são algo natural e não forçado e ser feminina não tem nada a ver com mostrar que tem seios e glúteos... E o que dizer de homens que gostam que mulheres se exponham assim? Teriam eles consciência do que é ser homem de verdade? Homens e mulheres agora se acham plena e profundamente representados pelos seus órgãos genitais ou as questões sexuais não viveriam sendo cantaroladas em tantos refrões. Que pensamento limitado sobre a humanidade. Todos nós somos muito mais que isso e temos muito mais a dar. Questões íntimas, como o próprio nome já diz, ficam na intimidade de cada um. E digo mais, alguns ritmos musicais simulam cenas de sexo e crianças os estão imitando inocentemente (ou não?). Jovens, muito menos, querem dançar inocentemente e flertam com o sexo e o álcool sem nem saber exatamente o que são e o que produzem como consequências. É uma geração inteira assim, seduzida pelas imagens divertidas de algo maligno que conspira se fazendo de bacana e moderno. Os pais? Estes estão batendo palma, achando graça, cedendo à moda, estimulando, impotentes ou nem aí (qualquer das opções é verdadeira). O que aconteceu com essa menina deve servir de exemplo para que toda a sociedade recupere seus valores familiares e os valores que o ato sexual contém, pois este cingi-se da capacidade que o ser humano possui de ser co-autor da vida e não da morte. Que esta jovem menina possa refazer sua vida, livrando-se das drogas e de um caminho que não a levaria além do lugar a que chegou, pois ela mesma tem um filho a educar, a ser exemplo de mãe e mulher. Peço a Deus que lhe poupe das consequências graves à sua saúde, a ampare nesses momentos de dor física e mental, pelo seu bem e o bem de seu filho, tão inocente. Devemos refletir muito com tudo o que aconteceu a ela e o que a levou a se expor tanto entre seres que jamais lhe dariam o menor valor.