quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

O que vi e vivi em 2012


2012... Venho deixar registrado aqui alguns sentimentos que marcaram meu ano, pois a impressão que ficou para mim é de que fui muito intuitiva ao iniciar este blog com este título justamente no ano em que meu equilíbrio foi mais testado do que nunca e é importante dividirmos nossas experiências!


Este ano se iniciou com o agravamento do estado de saúde do meu pai, vítima de um câncer, que veio a me deixar justamente no dia em que me pôs no mundo - 22/03. Momento difícil onde minhas felizes lembranças de filha de um militar que muito serviu no Rio Grande do Sul (onde nasci) e fez tantos amigos, se doou ao seu país e era exemplo de honestidade e caridade, tiveram que ser bem mais vivas que as lembranças de seu sofrimento...

Após marcante perda, apesar de acreditar que ganhei um intercessor junto a Deus, muitas mudanças ocorreram, especialmente minha mudança de endereço para um lugar tão bom quanto, no entanto, cansada, organizei tudo sozinha, com apoio de alguns anjos que estavam no meu caminho, mostrando que Deus não nos deixa só e nos leva onde nossos pés não podem chegar...

Estabelecida em um novo canto busquei trabalhar ao invés de lutar pelo concurso para o qual me preparei por alguns anos - Delegado da Polícia Federal -, pois o mesmo teve seu edital publicado no meio de toda essa "confusão" e me sentia realmente sem forças para me dedicar a duas novas matérias que entraram no edital com as quais nunca tive o menor contato. Mudei o foco, forçosamente, acreditando que talvez aquele não fosse meu caminho mesmo. Aceitei que não daria nesse momento e mantive a paz.

Na sequência, veio a mim como advogada um caso em que se aplicava a lei Maria da Penha ao meu cliente que estava desavisado quanto ao fato de que maridos ou ex-maridos não podem mais ter discussões e nem falar nada de cabeça quente pois sofrerão restrições imediatas em seu direito de ir e vir, doa a quem doer, em prol da defesa da dignidade da mulher que hoje sabe que possui uma arma de grosso calibre para chantagear e manipular o homem cuja dignidade agora é presunção relativa. Vi que promotores e juízes, apesar de receberem você com toda atenção e educação e até de te ouvirem quanto à estensão de um despacho ou outro, ainda estão cegos à Justiça e extremamente apegados ao Direito. O que é preconceito? Um pré-conceito sobre algo ou alguém sem que se analise amplamente os elementos - a análise sem critérios não é análise, mas suposição eventual. A lei que poderia ser boa acaba por ganhar graves contornos de injustiça, reforçados por decisões judiciais imponderadas. Vi, como  nunca, a eterna balança entre o direito e a justiça e como é difícil ambos se equilibrarem...

Nunca gostei muito de advogar, não tenho a paciência necessária especialmente com serventias indolentes e com clientes que pretendem guiar os passos do seu patrono via controle remoto, mas ambos fizeram parte do meu pacote em 2012. Foi um desafio e tanto, mas meu jeito caridoso de ser me ajudou muito. Perdão e oração são forças de dimensões desconhecidas, creiam-me. Consegui ver que muitos erram e erram feio; muitas vezes fazem isso porque são incapazes de serem melhores seres humanos, pois uma venda lhes tapa os olhos, ouvidos e bocas, e uma mistura de soberba e vaidade lhes enrijece o coração. A falta de sensibilidade é um mal que afeta o mundo atual e é exatamente com pessoas insensíveis que devemos ser mais sensíveis, pois de alguma forma elas devem ter contato com tal qualidade...

2012 trouxe ao meu convívio pessoas difíceis e carregadas de problemas que tiveram a função de mostrar como é importante ter uma base familiar e valores morais para se viver bem e em paz. Outras pessoas, amigas e amorosas, também estiveram presentes trazendo consigo um pouco da presença de Deus na minha vida, a verdadeira alegria!

Presenciei momentos de superação completa, como a finalização do curso de guerra na selva pelo meu irmão também militar e empenhado no seu serviço à Nação. Vi pessoas lutando para se modificar, se adequar a novas realidades de suas vidas, buscando a concórdia ao invés da discórdia, vivendo conforme seu caminho era traçado... e como é difícil - eu fui uma delas.

Termino este ano com a sensação de que fui bastante testada. Ao me encontrar quase em equilíbrio, algo me desestabilizava. Se olhar para trás verei a corda bamba em que caminhei e a altura em que ela se encontrava cuja passagem não poderia ter sido concluída sem a presença amorosa de Deus. Cada dia é uma dádiva, um presente, por mais difícil que as vezes pareça vivê-lo. 

E pretendo continuar assim, com os olhos voltados para o Alto, confiante no fato de que nenhum fardo me será dado além de minhas possibilidades, pois, ainda que pareça impossível carregá-lo, Deus se mostra ao lado com seu profundo Amor, redobrando minhas forças.

Fica a marca de um ano sofrido, mas de bastante aprendizado. Fica aqui minha mensagem de fim de ano, agradecendo a presença dos meus seguidores que permaneceram firmes apesar da minha ausência. E tenham sempre a certeza de que:

A fé jamais decepciona.

Um ótimo 2013 para todos nós! Fé no que virá!

Um abraço carinhoso a todos.